Neste blog vamos explorar o “Aquecimento no Futebol para idades de Sub-7 e Sub-12”. O aquecimento tradicional de ficar em filas e realizar alongamentos como abrir e fechar pernas e ficar dando chutes foi o que a maioria dos treinadores fazia quando criança . Exploraremos então como deve ser um ‘aquecimento’ para uma criança de 7 a 12 anos e por que esse momento é uma ótima oportunidade de apoiar as crianças em seu desenvolvimento.

Antes de começarmos, futebol infantil é diferente de futebol adulto. Como espectadores do futebol adulto, muitas vezes você pode ver os jogadores passando por uma rotina antes de uma partida e se preparando fisicamente para o próximo encontro. Para as crianças pequenas, o aquecimento é um bom hábito e uma ótima oportunidade para promover a educação física, mas não é essencial para ajudar os jogadores a atuarem. Na verdade, “desempenho” não deve ser uma palavra usada. A ênfase deve ser no “desenvolvimento”. Portanto, a qualquer momento antes de seus treinos ou partidas, veja que é uma ‘janela de desenvolvimento’ onde você pode ajudar os jogadores em seu desenvolvimento e não como uma chance de fazê-los se alongar e se preparar fisicamente.

A janela de desenvolvimento: Para todos os treinadores que trabalham com sub-7-12, eu aconselho que nesta ‘janela de desenvolvimento’ você veja como pode ‘ativar e conectar’ seus jogadores ao tópico ou tarefa que você quer que eles se concentrem em sua sessão. Por exemplo, a prática de aquecimento pode ser projetada para ajudar os jogadores a começar a praticar as habilidades que eles precisarão em sua sessão, ou seja, se você estiver trabalhando uma atividade 1×1, seu aquecimento deverá dar aos jogadores a oportunidade de praticar essas habilidade. Vincular o tema da sua aula a um “aquecimento” ajudará você a conectar o aprendizado e plantar sementes com o grupo e com os indivíduos sobre o que você focará na sessão. Um aquecimento neste contexto, permite-lhe começar a dar aos jogadores a oportunidade de explorar movimentos, com e sem bola, para ajudá-los a obter sucesso.

Então em que eu posso me concentrar nessa ‘janela de desenvolvimento’ no início da minha sessão?

A fase inicial (6-9) deve ter ênfase em jogos não estruturados e sessões com foco na exploração de movimentos através de jogo. Portanto, para responder à pergunta original, os aquecimentos nessa faixa etária são baseados em jogos e proporcionam às crianças oportunidades de explorar diferentes movimentos com e sem bola. As habilidades de movimento fundamentais (FMS) envolvem uma ampla gama de diferentes habilidades de movimento, como: correr, pular, pular, engatinhar, chutar, arremessar, rolar, para citar alguns e, o aquecimento, deve ter uma concentração de jogos de movimento que permitam as crianças praticar essas habilidades. Esses jogos podem ser feitos com e sem bola e os treinadores não devem ter medo de usar o Multi-Sports para ajudar a desenvolver as habilidades de movimento de seus jogadores. Em última análise, o cérebro e o corpo estão diretamente ligados e é vital que nós, como treinadores, forneçamos às crianças a base física para suportar uma vida no esporte.

O espectro da prática:
Práticas aleatórias, variáveis e constantes podem ser usadas de diferentes maneiras para ajudar os jogadores a aprender e desenvolver novas habilidades. Ao pensar como você deve abordar os aquecimentos, eu encorajo todos os treinadores a olhar para os diferentes tipos de práticas que você pode usar e considerar os benefícios e compensações delas. Haverá uma hora e um lugar para cada um desses diferentes tipos de treinos, então entender seus jogadores o ajudará a avaliar qual tipo de treino é melhor para ser realizado em uma determinada sessão. Como mencionado acima, para crianças pequenas deve haver uma ênfase em brincadeiras não estruturadas para que elas explorem diferentes formas de movimento, resolução de problemas e tomada de decisão, e cada tipo diferente de prática pode ser adaptado para permitir que isso aconteça.

A “Prática Constante” envolve um jogador praticando uma variedade de habilidades sob condições diferentes e variáveis. A prática é geralmente imprevisível com os jogadores tomando diferentes decisões. As práticas aleatórias desafiam os jogadores a transferir sua técnica para os jogos, incentivando o desenvolvimento da compreensão tática. Práticas aleatórias, como jogos em campo pequeno, são uma maneira brilhante de aquecimento e uma abordagem de treinamento “time – indivíduo – time” e deve ser considerada pelos treinadores ao preparar sua estrutura de treino para essas faixas etárias.

A “Prática constante” envolve jogador(es) repetindo movimentos específicos com o objetivo de adquirir, refinar ou manter determinada técnica. Em uma “prática constante”, um jogador se concentra em aprender a mesma técnica sob condições de repetição. Competição e desafios podem ser introduzidos neste tipo de prática para manter os jogadores envolvidos e com entusiasmo alto. Práticas constantes podem ser usadas para ajudar os jogadores a trabalhar a rebatida da bola, habilidades de movimento, domínio da bola, 1×1 etc. No entanto, crianças pequenas podem achar essa prática repetitiva difícil de fazer por longos períodos de tempo. Você precisará encontrar maneiras de mantê-las engajados com desafios divertidos e competições que escondem a repetição.

Domínio da Bola – Exemplo de Prática Constante: Um exemplo de um tipo de prática constante pode o domínio de bola em uma área demarcada. Cada jogador tendo uma bola, em uma linha e manipulando a bola com os dois pés. Para progredir ainda mais, os jogadores podem circular pela área com a bola realizando as diferentes técnicas de domínio da bola que você está trabalhando. Para aumentar a competição, pode fazer um desafio cronometrado de quantos toques você pode dar dessa habilidade específica em um minuto?
A Prática Variável envolve um jogador praticando uma variedade de técnicas e habilidades sob diferentes condições. Uma prática de passe que incorpora passar a bola em distâncias e alturas variadas, usando diferentes velocidades e técnicas, é um exemplo de prática variável. Práticas variáveis ​​são menos previsíveis do que práticas constantes. Esses tipos de práticas permitem esconder e disfarçar a repetição ao mesmo tempo que as tornam mais realistas (relacionadas ao jogo). O benefício é que os jogadores podem utilizar as habilidades no contexto de um jogo.

Toque de Bola – Exercício de Prática Constante:

Dois toques é um ótimo jogo para os jogadores praticarem sua técnica de rebatida de bola de ambos os pés. Os jogadores têm que chutar a bola para seus companheiros de equipe e seu companheiro de equipe tem um toque para controlá-la e um toque para jogá-la de volta. Nesta prática, concentre-se em técnicas específicas que você deseja que os jogadores usem para receber e devolver a bola. Para adicionar competição e torná-lo mais envolvente para os jogadores, adicione um sistema de pontos para cada vez que controlar com sucesso a bola e jogá-la de volta para seu companheiro de equipe.

Passar e Receber – Prática Variável:

Uma área de passes e recepções para os jogadores passarem e se moverem em suas equipes. Os jogadores têm que praticar técnicas de recepção e passe em suas equipes e não podem receber ou passar para um jogador de sua equipe na mesma “caixa”. Avance ainda mais adicionando defensores com uma equipe atuando como defensora e as outras duas equipes mantendo a bola longe de seus oponentes para aumentar a competição.

Marcando Gols – Prática Variável:

1×1 com chute é uma ótima maneira de incentivar os jogadores a praticarem diferentes formas de 1×1, bem como técnicas de finalização. O defensor começa com a bola ao lado do gol e passa para o atacante que tem que receber a bola e tentar marcar. O defensor só pode defender após o atacante dar seu 1º toque. Adicione competição dizendo que o vencedor permanece em campo ou quem consegue mais gols em um determinado período de tempo.

Defesa 1×1 – Prática aleatória:

Um bloqueio 1×1 no jogo de largura curta obriga que os jogadores bloqueiem e joguem 1×1 contra um jogador adversário. Os jogadores têm de tentar vencer o adversário para ajudar seu time a pontuar. Para aumentar a competição, comece o jogo com os jogadores tendo um determinado número de vidas cada e se eles pontuarem seu oponente perde e uma vida e eles ganham uma… Qual time terminará com mais vidas?

Conclusões:

– Tenha bastante variedade em seu aquecimento usando um espectro de práticas para ajudá-lo com práticas elaboradas para ajudarem as crianças a explorar o movimento com e sem a bola, além de solucionar problemas e , também tomar decisões.

– Conecte o que você irá focar em seu treino com seu aquecimento, plantando a semente nos indivíduos e no seu grupo sobre o que eles estarão focando na parte principal do treino.

– Use o aquecimento como uma “janela de  desenvolvimento” e concentre-se em diferentes áreas nas quais você deseja que eles trabalhem, como: técnicas de movimentação, técnicas de chute, domínio de bola etc.

– Não siga os aquecimentos dos adultos!  Eles devem ser adequados para crianças e apropriados para a sua idade.

– Deixe as crianças entusiasmadas com seus aquecimentos, para que elas queiram chegar cedo e não perder essa parte do treino.

– Warm ups on match days are a great development window to be used as an extended training session with you as a coach get invaluable contact time with them to help them to learn and practice new skills. You do not need to warm them up to perform!

– Aquecimentos em dias de jogo são uma ótima “janela de desenvolvimento”e deve para ser usada como uma sessão de treinamento estendida. Utilize esse tempo de contato inestimável com eles para ajudá-los a aprender e praticar novas habilidades. Lembre que as crianças não precisam se aquecer para as partidas!

Clique aqui para ter boas ideias de treino de “aquecimento” para crianças!