“As pessoas vão esquecer o que você disse, as pessoas vão esquecer o que você fez, mas as pessoas nunca vão esquecer o que você fez el;as sentirem” – Maioa Angelou

Contar histórias está se tornando muito mais comum em ambientes de treinamento e desenvolvimento, principalmente para jovens jogadores. Vincular um momento particular de aprendizado a uma pequena anedota ou história pode ter um efeito muito positivo para o futebol e outros contextos esportivos.

Um exemplo de história contada no mais alto nível foi visto com Pep Guardiola e seu magnífico time do Barcelona pouco antes da final da Liga dos Campeões contra o Manchester United em 2009. Guardiola exibiu um vídeo motivacional de 7 minutos para seus jogadores traçando a história do time na temporada até aquele momento, que mostrava todos os jogadores do plantel. Não houve glorificação das estrelas de alto nível, como Messi e Iniesta. Cada jogador foi destacado, respeitado e reconhecido por sua contribuição pelo bem maior da equipe. Todos os altos e baixos, as comemorações e as lutas foram vistos no vídeo. Alguns de seus jogadores choraram no final do vídeo, mas a conexão entre eles ficou mais forte do que nunca. As lembranças dos momentos passados ​​do jogador evocaram as mesmas emoções como se estivessem sentindo pela primeira vez e eles venceram a final por 2 a 0 e se tornaram campeões europeus.

O uso de histórias – especialmente aquelas que a princípio parecem não ter nenhuma correlação direta com o esporte ou mesmo com o futebol – ajuda e desenvolve a capacidade do jovem de se lembrar de detalhes de forma mais eficaz. Isto é possível através do tema da história e da emoção causada no indivíduo, tornando-se fortemente ligado a um momento que vive na vida real. Eles são capazes de relembrar informações e princípios do futebol mais rapidamente e fortes conexões podem começar a ser estabelecidas entre o jogador e o treinador.

Pesquisas sugerem que o cérebro não consegue realmente distinguir entre o que é imaginário e o que é real. Palavras, imagens e emoções estão sempre ligadas em nossos cérebros e se nós, como treinadores, usarmos palavras para criar imagens vívidas e imaginativas, elas podem impactar nossos jogadores em um nível emocional profundo.

O uso de analogias pode ser uma ferramenta poderosa para o aprendizado e apoio do desenvolvimento, da criatividade e da imaginação de um jogador. Muitos jogadores sentem uma conexão com uma história muito mais do que com um treinador simplesmente dando instruções ou estatísticas, que muitas vezes podem ser chatas e confusas. Imergir nas mentes dos jovens jogadores com histórias também pode desenvolver suas habilidades sociais e de comunicação, construindo uma linguagem codificada comum compartilhada entre eles e o treinador.

A criação de palavras da moda ou frases curtas associadas a uma história pode ser vinculada a um princípio do jogo específico em um determinado momento durante uma partida. Aqui estão alguns exemplos de como as metáforas podem ser utilizadas em um momento de treinamento em campo:

  • Contra-Ataque – Usando a imagem de fogos de artifício. Quando colocamos nossos fogos de artifício, nós os empilhamos ordenadamente, organizados, próximos e estruturados. Isso é semelhante à imagem que vemos dos jogadores ficando compactos e prontos para acelerarem a jogada depois da recuperação da posse. Quando os fogos de artifício disparam, há emoção quando eles explodem em todas as direções em alta velocidade. São nossos jogadores recuperando a bola e atacando rapidamente o gol adversário com velocidade e movimentos rápidos com e sem a bola.
  • Virada de Jogo – Usando a imagem de estar preso no trânsito. Se estivermos presos no trânsito e não conseguirmos avançar, o que você deve fazer? A caminho do trabalho, quando a avenida principal está bloqueada, tenho de alterar o meu plano e escolher uma via alternativa. Isso pode ser usado quando os jogadores exploram o lado fraco de um oponente, virando o jogo. Seu avanço pode ser bloqueado, a menos que eles mudem o ponto de ataque e passem a bola rapidamente para o lado oposto do campo.
  • Pressão – Usando a imagem de um cão pastor. O que um cão pastor faz? Ele agrupa ovelhas em um curral e torna seus movimentos previsíveis. Compare isso a um jogador iniciando uma pressão em equipe e bloqueando as opções de passe para tornar a decisão do adversário previsível para a equipe e aumentar suas chances de recuperar a posse de bola.

Histórias, analogias e metáforas são ferramentas fantásticas para incentivar o aprendizado e a recordação instantânea em nossos jovens jogadores. Experimente e crie suas próprias histórias ligadas a momentos específicos do jogo, ou melhor ainda, peça ideias aos seus jogadores!